Publicidade

22.11.16

O Tannenbaum, O Tannenbaum...

Eu a aproveitar para me armar em grande fluente de alemão escrevendo a única palavra que me lembro de uma música natalícia, que aprendi num curso de alemão. Tradução: "Oh pinheirinho, Oh pinheirinho..." Coisa que canto agora quando olho para a minha árvore de Natal deste ano... Um verdadeiro, natural e vivo da silva pinheirinho.

Este ano deu-me para isto. Que o ano está a ser especial lá isso está. Um ano que, recorrentemente, me tem levado à minha infância e a reflectir sobre a importância dos gestos verdadeiros e coisas simples na minha felicidade. Não seria de estranhar que me lembrasse que no Natal os pinheiros eram sempre naturais, como seriam da maioria de vocês, (os cotas de trintas e quarentas como eu). Relembrar o ritual de ir à feira de Sábado comprar o pinheiro e o aroma que deixa na casa deu-me uma grande vontade de deixar o, ainda que lindo, artificial pinheiro dentro da caixa este ano.

Na praça da fruta das Caldas o Sr das flores disse-me que seria muito difícil porque "já ninguém usa disso"... "Pois, eu sei. Mas eu queria tanto"... Mas lá foi um querido e até me ajudou dizendo que se houvesse seria no Horto FlorÓbidos. E não é que tinham?!

Tinham chegado naquele dia e ainda nem estavam expostos para venda... o que faz de mim a primeira pessoa a comprar um pinheirinho, ih ih ih!!! (OH eu toda convencidona). Foi amor à primeira vista. Que é o mesmo que dizer que me saíram guinchos quando o avistei. Havia várias opções (duas variedades diferentes, uma mais farfalhusca e mais cara a rondar os €40 e uma mais despida  e mais barata a rondar os €15). Ora aí estava! A mais linda e ainda por cima a mais barata. Negócio fechado!! 

O resto? O resto é história. Daquela que vou guardar só para mim e para o pinheirinho... Sim, porque é possível falar com pinheirinhos enquanto os enfeitamos e eles até nos houvem e fazem-nos acreditar que o que desejarmos se irá concretizar... Mas só resulta se forem pinheiros naturais, vivinhos da silva e felizes.










Enfeites na Tiger, luzes na Mecolavínia, corações de grafite que claro está fui eu que pintei e costumizei.
O bichinho já pegou a algumas pessoas e já há mais gente neste momento a caminho de casa com o seu pinheirinho natural para relembrar e viver bons natais.
Os pinheiros naturais do século XXI têm a mais valia de serem vivos e poderem ser replantados, que é o que farei com o meu lindo Tannenbaum. 

E começa assim, de uma forma tão feliz, serena e pura a nossa época natalícia cá na nossa casa. 

1 comentário:

Ana Oliveira disse...

Quando eu era uma miúda ia com o meu pai e avó ao pinhal apanhar o nosso pinheirinho ��
O teu pinheirinho está muito adorável ��