Publicidade

21.5.17

Quando o óbvio não é falado

Há uma "piquena", a Donna Air, namorada ou noiva do irmão do, agora marido,  da Pippa Middleton que está  a ser crucificada pelos tabloides do mundo por ter optado por um look (es)branco para o casamento da mana da Kate. Eis as imagens...


A mim o que faz mesmo confusão  é que ninguém fale no óbvio... O vestido é horroroso!!! O meu avô guardava as batatas em sacos de serapilheira muito mais giros. Aliás, dá ideia que pegaram em 3 sacos de serapilheira, os botaram em lixívia, parte do tecido não aguentou o tratamento e esgaçou, enrolaram-no em volta dum manequim, fizeram uns remendos com a gaze que usam nas queijarias (a já  usada e amarela) e juntaram-lhe um cinto feito com os restos... Pode bem o chapéu ser um queijo! Só se safam os sapatos.

Assim, o que tenho  a dizer mais sobre o assunto? É  contra as regras de boa etiqueta ir de qualquer tom de branco para um casamento (a menos que a noiva vá vestida de vermelho ou de preto ou de outra qualquer cor que não os brancos) para que na festa a noiva seja o centro das atenções. Mas eu agora pergunto... Como é que uma senhora, que até é bem gira, consegue vestida desta, horrível forma, desviar as atenções  da noiva, que ia tão bonita e radiante?!?!


Eu até tenho uma teoria. Dizia-se que a Pippa não queria convidar a Donna por esta, ainda não ser casada com o cunhado ou, na versão das más línguas, porque ela é uma inglesa giraça que podia roubar o protagonismo do casamento (assim como o rabo da Pippa fez no casamento da mana e duquesa Kate). 


Vai daí  eu imagino a Pippa a escrever pela sua própria mão no convite da Donna: "Dress code - camponesa frampalhona. NOTA: não vai haver tábua de queijos... Tragam o vosso preferido."

Ler Mais ››

14.5.17

Simples e Sentido.

Portugal inteiro, literalmente falando, fala do dia de ontem, seja como um dia de comunhão, de vitória ou de inesperado absoluto. Seja qual a razão, ou razões, que vos faça celebrar o dia 13 de Maio de 2017, é para todos um dia de celebração de Alegria. Eu escolhi marcá-lo aqui pelo inesperado já que a outra razão que me poderia levar a escrever é uma fé que me abraça todos os meus dias e que no 13 de Maio apenas é reforçada.

Olhar para uma pessoa que não conhecemos de parte alguma, com quem nunca falámos, com a qual nunca sequer partilhámos o mesmo espaço e com quem provavelmente nunca nos cruzaremos, e dela nascer em nós um sorriso rasgado e um sentimento de alegria pura é uma raridade na vida. Foi o que aconteceu comigo da primeira vez que ouvi o Salvador e a sua "Amar pelos Dois". Não aconteceu há mais de duas semanas, apesar da música já andar por essa altura a mudar o coração de muitos. Eu, em tempos fã da Eurovisão da Canção, nunca pensei que fosse alguma vez possível que uma Simples Música, afinal, fosse tudo o que era preciso para ganharmos a Eurovisão da Canção e, ainda mais inacreditável, conseguir que tantos portugueses voltassem a amar Eurovisão da Canção. 

Não há muito mais a falar sobre a magia do "Amar pelos Dois" porque considero que todas as palavras que importam estão contidas na letra, na música desta canção, nos olhos e na voz do Salvador... e ainda no momento inspirado e inspirador da mana Luísa Sobral quando estava em casa a escrever tão bonita música.

Milhares de pessoas escreveram e irão escrever sobre o dia em que Portugal ganhou a Eurovisão da Canção. O meu contributo é simples mas é sentido... numa homenagem à simplicidade com sentimento desta Canção...


Ler Mais ››

10.5.17

Música Papoilar #2

Há poucos cantores, músicos ou interpretes que me levem para um lugar bom sempre que os ouço seja com que música for. Curiosamente, o Tiago Bettencourt é um deles. Curiosamente porque tenho tendência para gostar de vozes explosivas e o Tiago não é assim. Talvez por não ser assim, explosivo, me leve a um "happy place" ou então é mesmo porque é um grande poeta e músico e a voz é só o acessório à sua arte. Adoro esta que merece ser partilhada juntamente com o poema...





Se me deixasses ser

Se me deixasses ser
O sítio onde podes voltar
Depois do dia entardecer
Ou quando a noite te agarrar
O corpo forte de chegar
A casa de permanecer
A casa para regressar
Se me deixasses ser...
Seja onde for

Se o filme fosse meu
Na luta contra o mal
Tudo o que te faz doer
Morria no final
E se o escuro não passar
E te cega como uma prisão
Vou-te resgatar
Lavar-te o coração
Se me deixasses ser
Se fosse eu a mandar
Fazia-te ver...

Frente ao precipício 
Juntos pela mão
Se hoje queres saltar
Eu quero ser razão

Se me fizesses crer
no sitio onde posso voltar
para um dia entardecer
e quando a noite descansar
Na casa de permanecer
Na pedra que fazemos chão
para me rever
lavar o coração
se me fizesses crer
se fosse eu a mandar
fazia-te ver
Ler Mais ››

9.5.17

Imagens que podem chocar os mais sensíveis...

Diz que há pessoas que vão aos ginásios para o engate ou só mesmo para a prática do babar sem baba... Não é choque nenhum que num espaço onde se aperfeiçoe o corpo e onde as vestimentas diminutas e/ou justas façam sobressair músculos e curvas sensuais que haja um ou outro "oportunista do amor". Isso, sempre foi uma coisa que me deixou um bocadinho desconfortável nos ginásios, para aí até aos 30 já que, agora, o meu nível de auto-confiança permite-me um desprezo a uma distância de cerca de 55 andares dessas situações. Porém, se assim não fosse ainda tinha a minha salvaguarda biológica que também resolve bem qualquer eventual olhar menos inocente... Eu sou daquelas que com o esforço físico fico, do pescoço para cima, dum encarnado quase de carne viva... um tom de pimento que está a passar do vermelho quase para o arroxeado. 

Brincadeiras à parte, não é um estado bonito e a única hipótese que tenho de não ficar assim é se for ao ginásio levantar pesos de 500g e fazer pausas de 15 minutos entre exercícios. Fico com uma cara de desgraçada que por vezes tenho receio que peguem no extintor e que o disparem na minha direcção. Hoje, partilho com todos como resolvi esse desconforto, (após ponderar uma 350 vezes se o faria) e partilho os resultados da utilização dum produto de cosmética . Mas só porque encontrei um mágico que prometia resolver o meu problema, do qual desconfiei muito, mas que resulta. 

O meu companheiro preferido, e único, de ginásio é o BB Sport SPF50, da SHISEIDO. Um filtro solar, (que pode ser usado como protector solar de praia também) de alta protecção e com cor. Para nós, que já quase não conseguem sair de casa sem maquilhagem, faltava opções que nos permitissem ir tão confiantes para o ginásio, com o nosso aspecto, como quando estamos maquilhadas mas sem correr o risco ficar a parecer um boneco de cera derretido após o exercício físico e/ou o banho. 

Assim que se aplica o BB, este faz uma correcção mais próxima do conseguido com a aplicação de uma base do que dum BB. Podendo assim, ser utilizada como base de maquilhagem nos dias em que ao final do dia de trabalho irão ao ginásio. É particularmente especial para fazer desporto ao ar livre porque para além de proteger do sol tem umas partículas que em contacto com a radiante estrela iluminam o nosso rosto tornando-o mais bonito e delineado. O oposto do que costuma acontecer quando se faz exercício. O Sports BB SPF50+ é isto tudo e ainda mais... reduz a perda de água, da nossa pele, causada pela transpiração, acalma e MUITO a vermelhidão e é completamente à prova de água, seja a do mar, do rio, da garrafa de água que atiram para a cara em desespero numa corrida ou a da transpiração.  

Então aqui vai, para que possam ver com os vossos olhinhos como é realmente eficaz (para os mais sensíveis aconselha-se a não visualização das seguintes imagens)...

Esta sou eu num dia SEM Sports BB SPF50+ ... hesito mas agora já escrevi demasiado para ter coragem de apagar tudo


Este é um "ar" que se mantém por mais de 30 minutos após o exercício físico. Quando vou ao ginásio antes de entrar ao trabalho, mesmo depois de chegar à loja e me maquilhar com camadas várias de base e pó é "ar" que ainda assim se deixa ver.

No dia que experimentei o Sports BB SPF50+, antes de sair de casa...


E no mesmo dia, após um treino de intensidade idêntica ao do dia em que não usei o  Sports BB SPF50+...


5 minutos depois dos alongamentos...


E que tal? Já acreditam? 

Há 3 tons diferentes, um claro, um médio e um mais escuro que se adaptam a uma variedade grande de tons de pele. Apesar de ter uma óptima cobertura tem uma textura fluída e um acabamento sedoso. O valor ronda os €38 (sendo que se apanharem uma daquelas promoções fabulosas é coisa para ficar perto dos €30). Aproveito também para para avisar que, por ser à prova de água, precisam dum bom desmaquilhante à base de óleo para o retirar ao final do dia.


Nota: Nenhuma das fotos tem filtro, como podem confirmar pelos meus poros dilatados, borbulhas fresquinhas do mês e ruguinhas




Ler Mais ››

4.5.17

Receita de puré de favas


Aquele puré dum verde perfeito é um puré de favas, debulhadas pelas minhas mãozinhas e oferta duma colega de trabalho do meu Rui que sabe o que eu gosto de ingredientes da época (obrigada Paulinha).

"Nhac!! Nem quero saber que detesto favas!" 
Esperem, não vão embora já, dêem uma oportunidade a esta receita. O meu Rui comeu favas e nem deu por ela... Ih ih ih!!!

Dizia ele ontem à noite, quando referi o puré de favas do almoço: "Favas!!! Espera lá... sua cabra..." (daquelas cabras anãs fofinhas e carinhosas que todos gostávamos de ter)..." Por essa altura já eu me estava a rir à gargalhada com jeitos de bruxa má da história da Branca de Neve.
"Aquilo era de favas?! Enganaste-me! Eu não gosto de favas!!". 
"Ai sim? E gostaste ou não gostaste?" 
"Gostei, estava muito bom."
"Pois..." Erguendo os olhos em direcção à testa como quem diz sou um espectáculo!! E toda contente por ter conseguido fazer o Rui comer leguminosas que fazem tão bem à saúde.

O truque? Nunca falar a palavra favas, dar-lhes muito sabor e descaracterizá-las. Assim, como o Jaguar que passou a acelerar por vós e afinal era o carro da Brigada de Trânsito.

PURÉ DE FAVAS e pozinhos

ingredientes:

Paínho do bom (6 rodelas)
Gengibre (uma porção a gosto, não mais que 1c. sopa)

500g de favas, já descascadas
3 c.sopa de manteiga sem sal
leite (1 chávena chá)
noz-moscada q.b.
pimenta
sal q.b.

preparação:

Fatiar 6 rodelas grossinhas de paínho, dispo-las num pirex e salpicá-las com gengibre ralado. Levar ao forno a 160 graus, previamente aquecido.

Depois de descascadas as favas, escaldá-las dando-lhes um duche com água fervente e escorrendo-as no escorredor. Colocá-las a cozer em água previamente fervida e temperada de sal. (É importante que assim o façam para manter a cor verde bonita das favas.)
As favas da época cozem num instante (estão cozidas quando as picam com a ponta da fica e elas não oferecem resistência). Em 20 minutos estão prontas.
Escorrer e deitá-las para dentro dum robot de cozinha.
Acrescentar o leite quente, a manteiga, a noz moscada e a pimenta.
Bater tudo até obter um puré.
Levar ao lume brando rectificar de sal e se estiver muito espesso acrescentar mais um pouco de leite quente. Reservar.

Atenção: Se as favas forem muito tenrinhas o puré fica praticamente pronto após ser batido no robot de cozinha. Caso contrário, as peles terão de ser separadas do puré fazendo passar o puré por um passador (como aconteceu comigo). Se quiserem evitar este passo descasquem previamente as favas. Nada de servir o puré com casca dura porque será uma experiência sensorial idêntica a comer sopa de alho-francês velho ou feijão verde cozido com fios.

Entretanto retiraram-se as rodelas do painho do forno, agora estaladiças e com as beirinhas meio queimadas, deixando-as arrefecer e cortando-as em pedacinho estaladiços. Reservar a gordura que se libertou para o pirex.

Dispor, sempre (se for para os enganar), o puré no fundo do prato, salpicá-lo generosamente com o painho estaladiço, colocar por cima um bom pedaço, ou pedaços, de carne de codorniz (frita), frango (frito), borrego (grelhado) ou porco (grelhado ou frito), salpicar com a gordura do painho que reservámos anteriormente e acompanhar com arroz para completar o teor proteico do prato.


E agora, já estão os que adoram toda a comida a esfregar as mãozinhas e a pensar quando irão fazer a receita. E estão os "saudáveis" a dizer: "Aí que os chouriço e a manteiga fazem tão mal!! E tem lactose e tem glúten e tem gordura!!! Pois tem isso tudo que a cozinha é minha e eu é que mando no que como. E uma coisa é certa antes arranjar uma opção um bocadinho mais gordurosa e deliciosa duma excelente leguminosa que fazer sempre batatas fritas. 
Ler Mais ››

3.5.17

Food Porn Março e Abril

Fotos das minhas receitas de Abril...












Há algum que gostassem de saber como se faz? Ou algum componente em especial?

Ler Mais ››

2.5.17

"Queres uma Bimby?!?!"

Esta foi a reacção do meu Rui, acompanhada duma cara de terror perceba-se, quando lhe disse que podia adiar adquirir um grelhador a carvão do Heston Blumenthal, porque "o que eu preciso mesmo agora é dum robot de cozinha."

Lá lhe tive que explicar "sabes amor... antes de haver "Bimbys" já havia robots de cozinha. Quero uma máquina que me faça um puré num instante, que pique, que envolva, que bata, para me facilitar um bocadinho a vida enquanto cozinho.  

É um pensamento que me tem surgido várias vezes nestes dois últimos anos que tenho explorado mais afincadamente a minha paixão por cozinhar. Ontem, foi um desses dias, enquanto fazia puré de fava ao almoço. Tentei com o aparelho dos batidos, começou a vir um cheiro a queimado do motor que parei em segundos, toca de passar aos poucos para o copo da varinha mágica e triturar, o copo estreito e aberto, portanto favas por todo o lado, a varinha mágica que até é das potentes viu-se um bocadinho aflita, como que a queixar-se pela falta de liquido na mistura, mas lá consegui. No entretanto havia: um tacho, a liquidificadora, 3 espátulas, o copo, a varinha, a cozinha e a minha roupa meia salpicada de puré verde e cerca de 15minutos utilizados nesta tarefa que poderiam ter sido convertidos em 5 minutos num bom robot de cozinha... e bonito já agora também.

Nada contra as Bimbys, pelo contrário, mas contrariamente aos chefs de cozinha de topo deste mundo eu não me posso dar ao luxo de comprar, por uma milhena de euros, um utensílio só para o usar para triturar, picar, envolver e bater. Os equipamentos tipo Bimby, que agora os há às dezenas, também são óptimos para fazer sopas, bacalhau com natas, até risottos e super sobremesas e eu tenho perfeita consciência que não o usaria para nenhuma dessas coisas... Logo seria um desperdício de dinheiro. 

Um bom, e típico robot de cozinha, e já agora muito bonito (que detesto cozinhar em utensílios feios) era só o que eu precisava... pelo menos por agora. 

Tenho um que está na minha lista de desejos culinários há muito tempo - a Masterchef 5000 da Moulinex


Primeiro impacto? Linda. Fica tão linda com os meus paninhos de cozinha. Depois, o facto de ser bastante compacta e fácil de arrumar e ser, de certeza, de muito boa qualidade porque os utensílios Moulinex que tenho nunca me deixaram ficar mal a meio dum cozinhado. Terceiro? Fica linda ao lado da Fresh Express (cortadora de legumes e não só) que mora cá em casa há 4 anos.



Eu nem me importo de esperar pelos meus anos em Outubro para receber esta... mas só se for esta. Até lá, está visto que, dias de puré de vegetais são dias de loucura na cozinha.



Ler Mais ››