sábado, 6 de fevereiro de 2016

Está visto o que eu visto para o Carnaval

Não foi propositado mas quando olhei para mim, a roupa que tinha escolhido, hoje de manhã, era a base perfeita para uma maquilhagem maléfica. Apesar da minha folga decidi dar um saltinho à loja para fazer uma maquilhagem a condizer com o espírito Carnavalesco. Aproveitando que durante o dia de hoje, e amanhã e depois estamos na loja a fazer maquilhagens de fantasia.



 E já sabem amanhã e depois na Perfumes & Companhia do Centro Comercial La Vie (Caldas-da-Rainha) lá estamos nós para os dar cores de Carnaval. Apareçam!
Ler Mais ››

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Ideias, tralhas para arrumar e um berbequim.

Sou menina para me divertir com bricolages, mesmo que envolvam berbequins e aparafusadoras. É um trabalho que me dá verdadeiramente prazer e que acho que até me está um bocadinho nos genes. Desde pequenina que me lembro de construir com tralha, canas, madeiras e panos "casinhas" e de depois as decorar. Fiz grandes projectos de arquitectura no meus bons tempos... dos 10 aos 15 anos.

Já andava a magicar uma forma de rentabilizar uma parede vazia que temos à entrada do quarto e fazer dela uma espécie de altar à futilidade... Não!! O mais correcto é chamar-lhe altar às coisas bonitas que nós os dois adoramos.

Só precisei das prateleiras, os cotovelos (como aprendi que se chamavam na loja de ferragens), parafusos, buchas, um berbequim e uma aparafusadora.

Confesso que quase me borrei, assim um bocadinho, de medo de furar um cano do aquecimento central mas depois de superar os buracos mais críticos foi sempre a andar.

Como gosto de reutilizar, porque me custa usar coisas tão lindas só numa época do ano, usei as luzes de Natal para dar um efeito UAU às nossas prateleiras.

Resultado...





Há por aí mais bricolageiras?
Ler Mais ››

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Música Papoilar #25

Há um hino à minha vida de adulta e eu ainda não sabia. Pouco mais há a dizer sobre esta, tão especial, música. Quem me conhece perceberá. Para quem não conhece será só mais uma música Papoilar.




Ler Mais ››

domingo, 17 de janeiro de 2016

Está visto o que eu visto

Não é o que vesti hoje nem o que vesti ontem mas com o frio que está também não poderia ter sido. Foi num destes dias da semana que passou. Um dia de vento, muito vento, mas que o sol estava excelente para aquecer ao sol da esplanada.

Olha a sombra do meu #Instagramhusband


  
A minha filosofia, e carteira, é comprar peças chave, umas peças malucas e outras assim assim e combiná-las milhentas vezes. Objectivo: Nunca tenho aquela sensação de não ter nada para vestir porque, com tanta combinação possível, sinto que visto sempre alguma coisa diferente e estou sempre um passinho à frente do que se vai vestir porque... olha só porque sim.
Ler Mais ››

domingo, 10 de janeiro de 2016

Idade: "Quase belha"

Sabemos que estamos a chegar à faixa etária "quase belhas" quando numa conversa descontraída com o rapaz do café...

Dizia eu, enquanto folheava uma revista da Peoples phone que estava no balcão "É impressionante a quantidade de telemóveis que há! Eu ainda sou do tempo em que só havia um telemóvel... O Motorola."

"E eu, do tempo em que o topo de gama era o 3310."

"Ihhh!!! Pois foi. Esse foi um sucesso"

"Eu tive o meu primeiro telemóvel quando fui para o quinto ano."

Pois... (disse eu com aquele sorriso rasgado de boca fechada que até arrepanha o nariz)... eu SÓ tive o meu primeiro telemóvel quando entrei na universidade."


E é isto!

Nome: Andreia Jesus aka Papoila

Idade: "Quase belha" (com sotaque do Norte porque sempre soa menos uns anos)
Ler Mais ››

sábado, 9 de janeiro de 2016

Vermelho ou cinza ratazana seria a minha grande questão

Olha eu a levantar o braço no ar, em jeito de vergonha, à pergunta "Quem é que há dois anos atrás repudiava o uso de ténis, sapatilhas (o que lhe quiserem chamar), no dia a dia?".

Pois... eu de braço bem no ar. Se, por um lado, ainda não me consigo imaginar de saias e ténis já, por outro, vejo-os em par de igualdade com o restante do meu calçado de andar na rua.

Também não é difícil uma tipa mudar de opinião com os giros, cada vez mais giros, ténis que vão lançando.

Olhem bem para esta nova colecção de Stan Smith.




Vermelho ou cinza ratazana seria a minha grande questão. E até são de camurça, por isso, para mim, já caiem na categoria de sapato... cheio de estilo e possibilidades infinitas excepto com saias, está claro!

Estou a pensar comprá-los? 
Sim, se tiver um momento de irracionalidade e não comer durante o mês de Fevereiro para os poder comprar.

Ler Mais ››

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Eu sou assim... quase sempre deixo as coisas rolarem ao sabor do vento



Sou distraída, ao ponto de não saber o meu horário de trabalho do dia seguinte ou de ter de perguntar duas vezes alguma coisa para a qual já me tinham dado resposta, só porque na primeira volta estava a pensar que me esqueci de pagar a água. Não marco encontros ou faço planos com antecedência. Acho sempre que é muito cedo para convidar a malta para isto ou para aquilo e dois dias antes ando numa luta para que todos estejam disponíveis... Muitas vezes tenho que remarcar para outra altura. Normalmente, saio de casa em cima da hora e chego, também normalmente, atrasada para combinações. Há semanas que me apetece escrever todos os dias no blog, outras em que o deixo orfão de palavras. Eu sou assim... quase sempre deixo as coisas rolarem ao sabor do vento. Pode não ser a forma mais organizada de levar a vida mas tem a vantagem de quando me mudam as voltas e desmarcam qualquer coisa não me canso muito a chatear com isso. Por isso, não é de estranhar que deteste agendas e adore caderninhos. 

As agendas obrigam-me a deixar folhas em branco só porque aquele dia já passou ou a ter só uma página para escrever as receitas dum almoço de amigos. E os Domingos?! Meia página?! As agendas são castradoras e eu adoro a minha liberdade. Nos meus caderninhos anuais posso gastar 5 folhas seguidas com desenhos e rabiscos só porque sim. Fazer colagens de coisas que vou encontrando e gosto. Escrever receitas que me surgem quando estou a ver o Masterchef. Fazer contas à vida, planear poupanças ao cêntimo e passadas 2 semanas não voltar a olhar para essa página e continuar a minha vida gastadora de sempre. Fazer o prefácio de um livro que vou escrever mas que depois nunca acontece tenho prefácios para 10 livros. 

Quando tenho mesmo algum compromisso? 
Escrevo no cantinho da página o dia, marco com a fita de cetim e está feito.




Ler Mais ››