segunda-feira, 24 de Novembro de 2014

"Basta que me batas uma vez."

Eu tenho uma vergonha enorme de ser portuguesa e dá-me cá uma raiva genuína quando leio ou ouço que morreu mais uma mulher pelas mãos do violento, estúpido e besta de um companheiro ressabiado, inseguro e machista. 

É uma coisa que realmente me tira do sério. Pior ainda, porque sinto que o nosso país, nomeadamente o estado, já muito pouco, social que temos, nada ou muito pouco faz para combater este flagelo.

A APAV lançou uma acção desenvolvida para o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres - 25 de Novembro. 

A Iva Domingues é o rosto da campanha que convida todas as mulheres a tirarem uma foto de si próprias (a boa da selfie) e postar no Instagram com o título "Basta que me batas uma vez.", a hashtag #25novembro e identificar nos lábios a APAV.


Aí está uma excelente razão para tirar mais uma selfie... uma selfie que traz a carga pesada de milhares de mulheres que sofrem diariamente neste país.

Eu sei que é só um pequeno gesto, mas é um gesto que multiplicado por muitos milhares, acredito que dará um bocadinho de mais força às mulheres para denunciarem os seus agressores e mostrará aos respectivos bestas que não estamos distraídas.

É já amanhã.

Ler Mais ››

Ele há dias..

Hoje de manhã, saio da casa a correr, atrasada como sempre, cruzo-me com o vizinho, antipático e assustador, do 2º andar, digo-lhe bom dia, ele olha-me com ar de espanto, de olhos esbugalhados, mas responde ao cumprimento, num bom dia dito entre dentes. Ele segue para a garagem e eu para a porta da saída. Penso: "Bolas, que o homem é mesmo esquisito e nada simpático."

No segundo seguinte dou com o meu reflexo na porta da saida... SUSTO!! Tenho uma popa lateral de cabelo que metia a um canto os volumosos ripados dos anos 80. "tás linda tás!" e penso: "afinal o homem foi apanhado de surpresa com o meu ar de esgasiada."

Meto-me no carro dou uma olhadela no retrovisor... "olha não pus blush... ai ai ai." e penso: "afinal o homem  foi apanhado de surpresa com o meu ar de esgasiada e apanhou um susto com a minha palidez fantasmagórica."

Chego ao trabalho e sino os baços a colar e penso: "Mau!! Esqueci-me de pôr desodorizante. oh milher tu hoje estás bonita, estás..." Sim. Eu falo, com alguma regularidade, comigo mesma, nos meus pensamentos.

É que ele há dias... 
Ler Mais ››

domingo, 23 de Novembro de 2014

Sonhar sai de borla

...e com estas eram sonhos e pesadelos todos os dias de bom agrado.

Ler Mais ››

quinta-feira, 20 de Novembro de 2014

O surrealismo de uma conversa pré-Natal cor de tangerina




Este ano a "bicheza" do Natal contagiou-me mais cedo do que o costume. Pelo que, já ando a pensar na decoração de Natal há pelos menos 2 semanas.

Este ano lá me deixei convencer pelo meu, modernaço, marido e compramos a árvore de Natal preta. Já o resto da decoração sou eu quem escolhe.

Vai que embiquei que queria fazer a árvore em tons de tangerina... não é laranja, é tangerina.

Mas bolas!! que nada de bolas ou outros enfeites em cor tangerina.

Hoje dei um salto ao AKI e encontrei o Santo Graal do meu Natal cor de tangerina... lá estava ela, uma bola de um tangerina delicioso, sozinha e triste numa prateleira, sem etiqueta.

Pedi ajuda a um funcionário, e aqui começou o surrealismo...

"Boa tarde. Eu queria mais bolas destas mas só encontrei esta."

"Tirou de alguma árvore?"

"Não, tirei duma prateleira mas era a única"

"Sabe, esta bola faz parte de uma conceito... nós aqui trabalhamos com conceitos, sabe?"

De certeza que eu estaria a olhar para ele com os olhos arregalados, porque estava a pensar "simmm... onde será que esta conversa de conceitos nos vai levar."

E eu: "Ah sim?!... pois."

"O que não quer dizer que já não haja mais deste conceito,,,"

"Nesse caso, pode ir ver se há mais destas."

E lá foi o rapazito com a minha bola tangerina na mão...

Voltou.

"Sabe esta bola pertence ao um conjunto de duas bolas dum conceito que nós tínhamos no ano passado ou há 2 anos atrás. Esta bola há-de ter ficado de alguma árvore que nós fizemos... mas já não há mais."

"Nesse caso se não é deste ano não há-de vir mais, né?!"

"Não, não vem mais porque nós já abandonamos este conceito. E para lhe dizer a verdade nem era um conceito que vendia muito.

Ao que eu não resisti a responder: "Pois, entendo... (semicerrei os lábios e continuei) mas era exactamente esse CONCEITO que eu queria comprar."

Saí de lá, decepcionada porque finalmente tinha encontrado a cor que queria e só havia uma bola. Com o atestado, passado com todas as letras pelo jovem rapaz, de "Pessoa que quer decorar à árvore de Natal com as cores de há dois natais atrás". E extremamente curiosa para saber que raio de CONCEITO seria aquele... 

Conclusão: vou ter de fazer as minhas próprias bolas porque não estou disposta a desistir do meu Natal cor de tangerina.



Ler Mais ››

segunda-feira, 17 de Novembro de 2014

Nada... nada... só o vazio.

Estas modernices de se terem as instituições públicas todas informatizadas, e conectadas em rede é um aborrecimento...

Finalmente, lá conseguimos marcar consultas para os dois (coisa que andávamos a tentar há pelo menos há uns 6 meses). Entregamos os nossos cartões de cidadão para a Sra administrativa proceder à marcação quando, se não quando, olha-me a senhora por cima dos óculos e diz:

"Ahhh!! Tem a vacina do tétano para levar."

E eu, de olhos muito regalados, como quem diz fui apanhada, e a engolir em seco, como quem grita TIREM-ME DAQUI!!!:

"Ah sim?!?!"

"Leva já?!

"Quando? Já? Agora? Mas..."

"Sim, leva leva já." Disse o meu marido com um ar demasiado divertido para o meu gosto.

Bem, nisto lá se marcaram as consultas, lá se pediram umas receitas e lá íamos nós no passeio a caminho do carro, quando ouvimos uma voz vinda da porta do centro de saúde:

"A Dona Andreia vem levar a vacina?"

"AHHH!! Desculpe tinha-me esquecido completamente." A verdade é que me tinha realmente esquecido mas tanto o meu marido, que me perguntou "fizeste de propósito?", e os senhores que esperam na sala de espera, que gritaram, quase em uníssono, "queria fugir ãnhh?!", acharam que eu estava a tentar escapar-me à pica.

A enfermeira depois dizia-me "É melhor assim que não tem tempo para pensar na vacina". Sim, é verdade mas ainda assim prefiro ter tempo para pensar. É um direito de pessoa mariquinhas como eu. 

O direito de sofrer por antecipação, o direito de arranjar mil desculpas para ir adiando por mais uns mesinhos a ida à pica, o direito de quase desmaiar depois de levar a vacina porque andei a sofrer por antecipação largos meses.

Assim, não doeu nada, fiquei bem disposta (ainda fiz um esforço para ver se me dava uma maldisposiçãozita) e nada... nada... só o vazio.
Ler Mais ››

segunda-feira, 3 de Novembro de 2014

Olha a Papoila

Finalmente o Outono como deve ser.


Blusa, Zara; Calças, Mango; Casaco, Mango; Mala, Mango; Botins, Zara.
Ler Mais ››

sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

Se todos os meus sonhos se tornassem realidade...


A photo posted by Capretto South Miami (@capretto_southmiami) on

...estas botas bordô da Jimmy Choo estavam no meu roupeiro.
Ler Mais ››